segunda-feira, 28 de junho de 2010

As intermitências da morte *

* nome de um livro, de 23005, de José Saramago.


Eu tenho a ideia que não morro velha e, desde há muito anos, tenho um sonho (recorrente) em que morro num acidente de carro.

Apenas tenho um familiar directo e as hipóteses de casar e procriar são (quase) nulas, pelo que escolhi uma pessoa especial a quem informei que, quando morrer, quero ser cremada e depois atirada ao mar.

Eu não gosto de dar trabalho enquanto viva, logo não gostarei de dar trabalho quando morta. Ademais não me agrada ser enterrada, e não há nada mais triste que uma campa abandonada.

13 comentários:

Helena disse...

Concordo plenamente. Além de que, não se ocupa espaço...morto.

Dudu disse...

Já pensei nisso, por mim pode ser em campa e na minha terra, há sempre alguém que coloca uma florzinha...em Lisboa é que nem pensar.

L'Enfant Terrible disse...

Bem isso é que é antecipar! Eu não penso muito nisso, aliás, não penso mesmo nada. Se um dia morrer façam o quiserem com os restos!

Abobrinha disse...

I would remember you if you died tonight.

Quanto ao meu destino depois de quinar... nem quero saber!

Jeunesse Dorée disse...

eu penso exactamente da mesma forma... até ao que diz respeito a morrer ainda sem rugas!

Anónimo disse...

Eu tambem quero ser cremada e as minhas cinzas espalhada no oceano pacifico, em Kailua Kona, Hawaii, para passar o resto da outra vida a fazer surf e a nadar com os golfinhos:-)

As nossas 9 vidas la se esgotarao e a nossa hora la chegara, mas ate la vamos aproveitar esta!

Gata Londrina

GATA disse...

HELENA: ...do pó viemos, ao pó voltaremos...

GATA disse...

DUDU: a minha terra é Lisboa! :-(

GATA disse...

L'ENFANT TERRIBLE: eu sou muito organizada! :-)

GATA disse...

ABOBRINHA: thank you!

Uma coisa é certa: não morrerei realizada mas morrerei aliviada!

GATA disse...

JEUNESSE eu tenho rugas... (ok, não são rugas, são rídulas!)

GATA disse...

GATA LONDRINA: os gatos têm NOVE vidas na versão inglesa... na versão portuguesa tem SETE vidas!

Gatapininha disse...

Oi Gata
Ia de passagem e este post chamou-me a atenção. Sempre que pensei na minha mortalidade que me imagino cremada. Faz-me muita confusão a decomposição.

às uns dois anos, comecei a pensar o que queria que fizessem com as minhas cinzas. É complicado lol

Ainda não decidi, mas não quero que seja como num fime: deitada pela sanita abaixo lol

cya