segunda-feira, 20 de julho de 2015

A fronteira entre porreira e parva...

...é ténue, muito ténue!

Quem me conhece pessoalmente, e quem me acompanha atravês do blog, sabe que eu, juntamente com a minha mãe, cuidei de uma senhora idosa, quem tive que colocar num lar por causa da demência

A velhota tem uma filha que vive, citando os Xutos e Pontapés, «na América» e cuja relação é distante e não apenas e somente por causa da distância. E a filha, 'agarrada' à distância, estava 'encostada' a mim!

Os últimos dois anos foram duros e não há agradecimentos (nem pagamentos, que nunca existiram, atenção!) suficientes pelo que eu e a minha mãe passamos e sofremos com a velhota, pelo que eu acho que chegou o momento de distanciar-me - mas não afastar-me - porque a minha mãe precisa, cada vez mais, de mim e eu não tenho uma amiga como eu para ajudar-me! 

Eu sei que, se fosse ao contrário, ninguém - ninguém! - fazia pela minha mãe o que eu fiz pela mãe de outrem. Mas eu tenho a consciência tranquila!

A filha da velhota não gostou, obviamente, mas eu estou cansada, muito cansada! Eu continuo disponível para ajudar... mas esporadicamente e não permanentemente.

12 comentários:

hierra disse...

Ser ' porreiro pá' não está com nada...cada vez mais noto que, cada vez as pessoas fazem menos pelas outras porque, cada vez menos se agradece ou se considera quem faz e mais ainda, quando fazes ou ajudas e veem que ajudas, ainda abusam...enfim, ninguém disse que a vida era justa!

Bella Condessa disse...

Dói-me tanto a alma quando sei que há filhos que não querem saber dos seus pais velhinhos tadinhos. E no teu caso, que nem é grata pelo o que fizeste pela mãe dela. É desumano. Mas os atos ficam para quem os praticam, e nesse caso, os teus ficam no teu coração. Não percas tempo com a maldade dela. Estou orgulhosa de ti GATA miau!

Gaja Maria disse...

Já fizeste a tua parte e olha que pouca gente o faria. Se chegou a hora de te afastares, é mesmo assim, não te martirizes. Beijinho

Mnemósine disse...

Das a mão e ficam com o braço. Agora és tu a má, depois de anos de boa vontade.
Interessa a consciência que fica leve!

Cat disse...

Há pessoas que se aproveitam descaradamente sem qualquer vergonha...

SuperSónica disse...

É tão bom e muito prático ter uma "ama" assim. Tu fazes o que o teu coração mandar, se ela não gosta, azar.

GATA disse...

HIERRA: a maioria das pessoas e egoísta e umbiguista mas sou uma pessoa humanitária e solidária; e eu sou também uma pessoa agradecida e reconhecida a quem me fez/faz bem! mas, sim, a vida é injusta...

GATA disse...

BELLA CONDESSA: sim, os actos - bons ou maus - ficam com quem os praticam! obrigada pelo teu orgulho em mim!

GATA disse...

GAJA MARIA: eu sei que (quase) ninguém faria o que eu fiz... mas eu sou eu, e eu sou alguém!

GATA disse...

MNEMÓSINE: eu tenho a consciência e o coração em paz!

GATA disse...

CAT: há e haverá sempre quem se aproveite e se 'encoste'...

GATA disse...

SUPERSÓNICA: eu sigo sempre o meu instinto (felino), às vezes corre bem, às vezes corre mal, paciência... é a vida!