quarta-feira, 4 de março de 2009

Política em Portugal (1)

Ontem, notícia de abertura do telejornal da RTP1:

"...
a OCDE prevê que Portugal tenha, daqui a 30 anos, uma das pensões mais baixas do mundo desenvolvido. A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico diz que esta será uma consequência da reforma do sistema de pensões, e calcula que quem se reformar em 2030 vai receber pouco mais de metade do último salário. Se este é o presente, a OCDE traça um cenário ainda pior para o futuro. Um estudo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico diz que os portugueses que se reformarem daqui a 20 anos vão receber apenas 54% do último salário. A chamada taxa de substituição. Por cá, o governo desdramatiza..."

Pois claro que o governo desdramatiza!

Primeiro, quem está -neste momento- no governo, daqui a 30 anos ou estará reformado há muitooo tempooo ou morto, logo não terá que se preocupar com a reforma. Até porque a reforma de quem está no governo será muitooo superior à minha!

Segundo, o Ministro Viera da Silva lembra que há países onde a idade da reforma está já nos 67 anos e até tem sugestões para os portugueses. E diz ele: “quem quiser aumentar as pensões de reforma, pode descontar mais porque depois vão estar muitos mais anos a usufruir dessa mesma pensão de reforma.” Ó Ministro, se eu trabalhar até aos 70 e viver até aos 71, não me parece que vá estar ‘muitos mais anos’ a usufruir da minha pensão de reforma! (Mas caso eu aceite a tua sugestão e desconte mais, tu garantes-me que daqui a 30 anos terei pensão de reforma???)

Terceiro, que merda é a taxa de substituição? Eu desconto todos os meses para que, daqui a 30 anos, a minha pensão de reforma seja 'substituída' por um “obrigada por ter contribuído para os cofres do Estado e bolsos dos nossos Governantes mas agora... vá morrer longe, vá!”???

Por estas e por outras é que este ano não votarei, e este ano teremos três eleições: Parlamento Europeu, Municipais e Legislativas.

(continuará)

2 comentários:

hierra disse...

Fazes mal em não votar...é o que te digo :) Mesmo que esteja tudo mal, mesmo que não concordes quase nada, nunca se deve abdicar de votar...Votar é um dever e é a pequena forma que temos de marcar as nossas posições...

GATA disse...

HIERRA: atenção, eu voto sempre!*

Mas, por vezes, inutilizo o meu voto como protesto!

* apenas faltei uma vez, porque estava em Madrid a estudar e não vinha a Lisboa votar! :-)