sexta-feira, 18 de julho de 2014

...sobre o livro sobre a 'DONA' DOLORES...


Para começar, aviso que não li o livro (nem lerei, porque – apesar de gostar de ler biografias – sou muito selectiva nas minhas escolhas de leituras).

Para continuar, a semelhança com o título da obra (prima) do dramaturgo alemão BERTOLT BRECHT – "Mãe Coragem e Seus Filhos" (no original, em alemão, "Mutter Courage und ihre Kinder") – não é coincidência... é arrogância!

Para terminar, eu penso que quase todos os portugueses conhecem a história da 'coitadinha' "DONA" DOLORES [...suponho que "Dona" seja uma espécie de certificado obtido através de equivalências de vivências...], pelo que um livro sobre a sua vida era dispensável e desnecessário.

Ahhh mas, segundo alguns extractos divulgados da 'obra', é irónico que a "DONA" DOLORES tenha tentado abortar do quarto filho [o famoso Cristiano Ronaldo] – e cito – "bebendo cerveja quente e correndo muito" [?!?!?!] e, afinal, seja o 'aborto' quem sustenta a mãe (e a família)...

Nota de Rodapata: tantas mulheres que passam tantas, mas tantas, dificuldades (p.e., em países árabes e africanos) é ostensivo  e sobretudo, ofensivo!  chamar Mãe Coragem à "DONA" DOLORES!!!

10 comentários:

L'Enfant Terrible disse...

Que ela agradeça a sorte que teve na vida é uma coisa. Outra coisa é tentar criar uma espécie de mito bíblico sobre o filho que teve, como que a "endeusa-lo"! Há quem nada tenha e tenha sorte e há quem nada tenha e continue como sempre, sem sorte!

Logan disse...

"fui eu que pari" eheh

agora a sério, o caso dela é aquele que se verifica de cada vez que um "famoso/a" lança um livro: o conteúdo pode não prestar, mas a pessoa é conhecida e isso é que interessa.

a Dona Dolores já vaio a tantos programas e revistas queixar-se da sua antiga vida que praticamente toda a gente já sabe do que ela viveu...

Katy Single disse...

O meu pai abandonou-me, a minha mão teve que criar duas filhas sozinha sem ajuda de ninguém. e só Deus sabe o que passamos. Mulheres como a Senhora Dolores e com a minha MÃE há muitas. Só que umas vêem a vida compensada com um filho como o Ronaldo e outras não. A senhora em questão também não tem culpa, mas podia-nos poupar com esse livro, é desnecessário. Se ela tentou abortar, a minha mão foi obrigada a fazer uma laqueação das trompas. A minha Mãe sim é uma Mãe Guerreira. (desculpa o longo comentário)

Gata disse...

Pois, eu acho que o próprio acto de ser mãe já implica coragem, mas há que vender e deve ter sido o autor do livro a convencer a senhora. Enfim, vaidades...
Bjsss

hierra disse...

Eu acho que a D. Dolores foi boa mãe e o sucesso do filho muito se deve a ela...agora, acho que não fez mais que muitas mães fazem no dia à dia e isso não lhes dá direito a um livro...Não vou ler, porque acho o livro despropositado!

GATA disse...

L'ENFANT TERRIBLE: a senhora deveria mudar o nome do livro e intitular o dito "Mulher Sortuda!" :-)

GATA disse...

LOGAN: eu gosto de biografias mas não gosto de pimba-grafias! [...e como tu dizes - e muito bem - já todaaa a gente conhece a vida dolorosaaa da Dona Dolores...]

GATA disse...

KATY SINGLE: tu não tens que pedir desculpa, eu é que tenho que agradecer a partilha da tua vida! OBRIGADA!!!

GATA disse...

GATA: a vaidade, mais arde ou mais cedo, arde na fogueira...

Bjinhauuu!!!

GATA disse...

HIERRA: com livros interessantes em lista de espera, não irei perder tempo - e muito menos dinheiro! - com um livro insignificante...